sábado, 15 de agosto de 2009

Lenda urbana ou verdade: Rapto em shopping


VERDADES E MENTIRAS SOBRE TRÁFICO DE ÓRGÃOS


Há muito tempo vem sendo distribuído pela internet uma história onde uma criança teria sido raptada em um shopping para fins de tráfico de órgãos. Segundo a história, a criança apareceria depois com uma larga cicatriz e sem um de seus rins.

Obviamente que esta história é falsa, e foi criada por quem deseja que a verdade não seja revelada. Certa vez, vi um comunicado de uma central de transplantes do sul do país alertando as pessoas para que não acreditassem em tudo o que se lê na internet. Eu assino em baixo. Principlamente quando o assunto é a transparência dos transplantes brasileiros. É mesmo de se duvidar.

Nenhum traficante de órgãos seria idiota o suficiente para raptar crianças ou mandar raptar crianças em um shopping center, por várias razões.

Elias David Neto, por exemplo, usou o blog de Drauzio Varela para desafiar a imprensa a localizar uma só história envolvendo o desaparecimento de crianças para fins de tráfico de órgãos. Disse o médico que:
"Nunca houve em nenhuma delegacia do país relato, notificação ou registro de alguém que tivesse sido raptado e devolvido depois sem um órgão. Fala-se muito em tráfico de órgãos. Isso não existe como não existe a possibilidade de furar o sistema de lista única. Desafio um jornalista investigativo a demonstrar que pode furá-la. Desafio-o também a tornar público o resultado de sua investigação, qualquer que seja ele".
Ele está certo! Em nenhuma delegacia brasileira, nunca foi encontrado qualquer registro de crianças que tenham desaparecido e tenham sido devolvidas com uma enorme cicatriz e sem um de seus órgãos. É fato. Como é fato também que todos os anos desaparecem no Brasil 120 mil crianças e que 30% delas, nunca mais serão vistas. Talvez o médico esteja procurando o boletim de ocorrência errado.

Devolver uma criança sem um de seus órgãos seria entregar a prova do crime. O mais fácil seria fazê-la desaparecer. Sendo mais objetivo, matá-la. E neste caso, as delegacias estão recheadas de queixas. A grande maioria dos casos sequer são investigados. Entram para o quadro acima de crianças desaparecidas que passam a contar com o trabalho maravilhoso de pessoas como Wal Ferrão (Portal Kids), já que as autoridades querem distâncias destes casos.

Não se engane ao ler este tipo de notícia.

Ao contrário do que querem que você pense, este crime é mais comum do que você pode imaginar. Mas não é feito com crianças em shoppings. O tráfico de órgãos capta suas vítimas entre as crianças de periferias pobres, muitos da região nordeste do país, cujos pais trabalham o dia todo e a deixam em casa ou até mesmo na rua. São famílias sem recursos que não podem levar o caso adiante, e não são respeitadas em delegacias. Muitas destas famílias são desestruturadas. Não possuem condições de educar seus filhos com dignidade e muitos acabam praticamente vivendo nas ruas.

O médico também desafia a imprensa a investigar e provar que a fila pode ser furada. Nem precisaria. Em 2005 o TCU provou. Em 2004, a CPI DO TRÁFICO DE ÓRGÃOS - a mesma onde Elias David Neto foi acusado de oferecer rins fora da fila - também provou. O problema é que a segunda parte do desafio foi impedida. A imprensa não pôde noticiar o que se descobriu durante a cpi e até hoje não informa que o relatório está numa gaveta do Ministério Público Federal sem qualquer ação devida tomada.

Assim fica fácil desafiar...

Reproduzo aqui um texto do Blog Mães do Brasil sobre crianças desaparecidas. Vale a pena ler porque demonstra como estes casos são tratados. O texto foi escrito em 26 de março de 2006, portanto bastante recente. Clique aqui para acessar o site.

O tráfico de órgãos é um tema que tem alarmado a população, gerado dúvidas e causado um tremendo desconforto nas autoridades. Desconforto que sem dúvida não é maior do que o das mães das meninas seqüestradas. Em janeiro, o único delegado que até então tinha investigado com imparcialidade, seriedade e competência o caso das meninas, foi afastado do comando da investigação e da DCAV, onde fazia um excelente trabalho de serviço à população. O Portal Kids recebeu em janeiro uma denúncia de que que o Dr. Leonardo Tumiati seria afastado do comando da investigação justamente por ter descoberto indícios do crime, envolvendo pessoas influentes da sociedade. A existência desses indícios não era novidade para o Portal Kids. Há dois anos recebemos denúncia apontando local e suspeito de estar envolvido neste crime bárbaro. A denúncia foi repassada às autoridades competentes que até hoje não nos deram um retorno a respeito do fato. Mantivemos sigilo da denúncia até para as mães das meninas, justamente para não causar alarme. Quando a notícia vazou na mídia, ao ser perguntada sobre a existência desses indícios, não tinha como negar.

Enquanto a polícia não apresentar o resultado desta investigação, seria leviano de minha parte afirmar que não existe tráfico de órgãos. Particularmente, acho que seria mais proveitoso se as autoridades policiais se dedicassem a apuração da denúncia com o mesmo empenho com que têm se dedicado a negar o tráfico de órgãos. Não existe melhor maneira de tranqüilizar a população do que realizar uma investigação de qualidade. Sobre os boatos que estão espalhados pela cidade,de crianças que estariam sendo seqüestradas e aparecendo abertas, qualificamos de boatos. Isso porque muita gente escreve para o Portal Kids para denunciar mas não fornecem provas e trabalhamos com provas. Claro que não queremos provar o tráfico de órgãos - tomara Deus que não passe mesmo de uma lenda urbana, mas é preciso seriedade e empenho na apuração de denúncia tão grave. A meta das Mães do Brasil, em reunião do movimento na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) sempre foi a investigação de qualidade para o caso de seus filhos.
Entenderam? Delegado foi afastado quando sugeriu haver indícios de tráfico de órgãos, e principalmente em esbarrar em pessoas renomadas. A denúncia foi repassada às "autoridades" competentes, mas nunca deram retorno dos fatos.

Se desejar, me envie um e-mail contanto a lenda que leu ou ouviu e publicarei aqui sob a etiqueta "Verdades e mentiras sobre tráfico de órgãos".


Um comentário:

Blog do Ferra Mula disse...

Pavesi, daqui bom dia, aí boa tarde.

Hoje acabei de enviar esta postagem para o senado, e vez em quando faço isso, para mostrar a eles alguns problemas brasileiros, se bem que eu acho que eles são nossos maiores problemas.

Esta sua postagem já deve estar no colo do Mão Santa e do Sarney (afinal ele ainda é o presidente do senado).

Pelo menos amanhã, eles não poderão alegar que não sabiam de nada.