O preço de uma sentença

O preço de uma sentença

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Ao povo de Jundiai. Abram os olhos.

No post anterior a este, denunciei que Álvaro Ianhez, o assassino do meu filho, está trabalhando no Hospital Santa Eliza, em Jundiai. Muitas pessoas ficaram indignadas e recebi muitas mensagens reclamando de Álvaro. A impunidade é isso meus amigos. O mal se corta pela raiz. Se deixar crescer, não tem fim. 

Álvaro Ianhez é perigoso, psicopata e tem poder político. Ele é protegido por políticos, ministério público e até o próprio judiciário. Num país sério, este marginal estaria na cadeia. No Brasil está atendendo o público.

Moradores de Jundiai!! Não aceitem um assassino tratando da saúde de vocês!! Chega de corrupção, chega de impunidade. Amanhã pode ser vocês. Vamos dar um basta!!!

Algumas vozes surgem para denfender o indefensável. E eu não posso me furtar a responder, pois não podemos mais deixar que a impunidade seja atrevida. Não bastasse escapar das leis pagando membros do judiciario, ainda desejam nos dar lição de moral.


Logo acima, Juliana Fernandes, já antiga conhecida por mim, fez o seguinte manifesto. E eu respondo assim. 

Todos nós erramos, mas a pedra do assassinato nenhum de nós pode jogar. Essa pedra de matar uma criança para vender órgãos é pesada demais para nós. Erramos sim, mas nunca para obter lucro através de assassinatos. Todos temos direito a segunda chance! Menos o meu filho que Álvaro Ianhez matou. Você acha mesmo, Juliana Fernandes, que ele já pagou pelos seus crimes? Onde? Quando? Vocês vão criar um novo precedente jurídico? Qual a punição que lhe foi atribuída por matar pacientes em coma?

Por último, dizer que existem políticos que roubam e pessoas continuam voltando, é querer perpetuar a miséria cultural no país. Quer dizer que, já que políticos ladrões são reeleitos, devemos perdoar Álvaro Ianhez que mata crianças??? É esta a sua lição de moral??

Lembro, por último, que Álvaro Ianhez está impune por ser ligados à políticos corruptos. Ele é o lixo do lixo de tudo que é lixo. 

Você Juliana Fernandes é tão podre quanto Ianhez.

Para a garotinha Amanda Mendes, calúnia é crime sim. Mas apologia ao tráfico de órgãos também. Se você quer ver o processo, clique no menu "Sentença Pavesi". Se preferir, consulte no TJMG por nome: Álvaro Ianhez.

Utilidade Pública. Você mora em Jundiai?



Você mora em Jundiai? 

Então siga o meu conselho. O Hospital Santa Eliza deve ser evitado a todo custo. O motivo é simples. Ele tem em seu quadro de médicos um assassino de crianças e pacientes em coma.

ÁLVARO IANHEZ está trabalhando neste hospital em Jundiaí. Ele era o controlador do maior esquema de tráfico de órgãos já descoberto no Brasil. Ele executava pacientes em coma para atender uma fila paralela de transplantes. Sem autorização do governo, Ianhez também extraia córneas que eram enviadas para São Paulo, para serem vendidas. À polícia, Álvaro disse que fazia "pesquisas" com as córneas, mesmo sendo um nefrologista. Nunca mostrou qualquer estudo dessas córneas.

Mentiroso, ardiloso, frio e violento, Álvaro Ianhez é um psicopata perigoso. A descoberta da existência desta máfia causou a morte do Diretor Administrativo do Hospital com um tiro na boca. 

O Hospital Santa Eliza em Jundiai está dando cobertura a um assassino. Se o hospital é capaz de fazer isso, é sinal que naquele hospital podem estar sendo assassinados pacientes em coma para fins de tráfico de órgãos. 

Se você está em Jundiai, evite este hospital. 


Na foto acima, Ianhez de chapéu, no banco dos réus, em um julgamento que ele conseguiu suspender por 4 vezes. 

Afaste-se do Hospital Santa Eliza de Jundiai. Pode estar ocorrendo o assassinato de pacientes para fins de tráfico de órgãos. Ianhez representa o que há de mais podre na medicina brasileira. 

Veja quem é Álvaro Ianhez

sábado, 27 de agosto de 2016

Tráfico de Órgãos no 1o mundo!

O caso aconteceu na República Domenicana e a atuação do Ministério Público foi imediata: 3 clínicas foram fechadas e vários envolvidos presos. No 1o. mundo é assim. 

Não é como no Brasil, 3o mundo, em que os bandidos são protegidos. Aliás, o denunciante terá proteção policial. Eu precisei deixar o país. 16 anos para julgar o caso e um trio de desembargadores anularam tudo por 500 mil reais.

Segundo fontes judiciais, as investigações tiveram início depois de encontrado um cadáver de uma criança sem vários órgãos, que poderá pertencer à desaparecida Carla Reyes, de 10 anos.

Um caso que agitou a opinião pública dominicana há cerca de um ano.

Um dos suspeitos de envolvimento do caso disse à polícia que a criança foi sequestrada para traficar os seus órgãos e envolveu uma clínica de Santo Domingo.


A ordem de fechamento, segundo a imprensa, foi executada por, alegadamente, terem sido violados várias leis relacionadas com o tráfico de órgãos e lavagem de dinheiro.

O caso ganhou peso mediático quando Dawin José Trinidad Infante, acusado do desaparecimento de Carla Reyes, relevou na televisão em direto que havia milhões e milhões de dólares envolvidos e que o caso estava ligado ao tráfico de órgãos.

"Peço proteção ao Procurador da República, temo pela minha e sei que há gente muito poderosa envolvida", afirmou.

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Material inédito!

Caros, meu arquivo é imenso. Há poucos dias eu escrevi sobre a ABTO (Associação Brasileira de Tráfico de Órgãos) que através de uma "carta aberta" condenou a retirada forçada de órgãos na China. A ABTO tem um papel fundamental no Tráfico de Órgãos. Eles dominam o setor de transplantes, com o aval do Ministério da Saúde. Não importa qual o governo (PT PSDB PMDB), eles são os donos dos transplantes no Brasil.

Vou revelar hoje, um material inédito que comprova a existência de uma máfia organizada de tráfico de órgãos humanos, envolvendo a ABTO.

A história tem início, meio e fim, e está toda documentada.

Tudo começa quando o Apresentador Athayde Patrese dá uma entrevista à Lêonor Corrêa, irmã de Fausto Silva. Nesta entrevista, o apresentador afirma categoricamente ter comprado um rim por US$ 100 mil do médico José Osmar Medina Pestana (cujo nome verdadeiro é José Osmar de Abreu Pestana). Disse ainda que, por ser amigo do médiico, o valor baixou para US$ 50 mil. Um senhora de 54 anos na época, chamada Liliane, cujo filho estava na fila a espera de um rim, ficou indignada e denunciou o caso ao Ministério Público. O Ministério Público arquivou a denúncia sem oferecer nenhuma resposta.

Mais tarde, Athayde Patrese voltou à tv para dar outra entrevista, desta vez para a TV Bandeirantes, no programa Jogo da Vida, onde reafirma ter comprado um rim por US$ 50 mil, e desta vez citou o nome da Sra. Liliane por ter denunciado o crime. Disse ainda que Liliane era dona de uma empresa, citou o nome da empresa e ainda soltou algumas ofensas contra esta sra. Liliane na verdade era apenas uma funcionária desta empresa, mas o Ministério Público, além de arquivar o caso, passou todos os dados pessoais de Liliane, para Athayde Patrese.

Esta última entrevista aconteceu em 2004, quando eu estava trabalhando para instalar a CPI do Tráfico de órgãos. Imediatamente eu liguei para o Ministério Público. Ouça você mesmo!



Neste meio tempo, eu consegui localizar o telefone da Sra. Liliane. Entrei em contato com ela e conversamos sobre o episódio. Liliane doou o rim para o filho. O transplante não deu certo e o filho perdeu o rim. O rapaz estava fazendo hemodiálise naquela época. Como sempre, Liliane estava sendo ameaçada de perder o emprego. O Ministério Público forneceu os dados pessoais de Liliane para os denunciados.

O Ministério Público nunca retornou a ligação, e arquivou novamente a denúncia, apesar das provas existentes. 

Ouça a minha conversa com a Sra. Liliane.



José Osmar "Medina" Pestana, foi convidado para participar da CPI do Tráfico de Órgãos, não como acusado, mas sim como um especialista em transplante. Ao ser confrontado com a reportagem de Athayde Patrese exibida em um telão, negou tudo. Ao fim de sua participação deu a seguinte entrevista.


Sim caros amigos. Ele disse que no Brasil não há tráfico de órgãos e que ninguém conseguiu demonstrar isso a ele. Seria o mesmo que Fernandinho Beiramar dizer que nunca ouviu falar em tráfico de drogas. Assista ao vídeo em que Athayde Patrese reafirma pela 3a vez que recebeu oferta. Durante a CPI, no entanto, Athayde acusou o médico Elias David Neto, também ex-presidente de ABTO. Se observar, verá que estou de pé quando Athayde passa pela câmera. Estou sempre por perto!


A sra Liliane Simão Cardoso foi convidada para depor na CPI e neste vídeo, destaco o trecho em que ela mostra indignação por saber que o caso foi arquivado mais uma vez pelo Ministério Público.


O tráfico de órgãos no Brasil existe, e só existe porque as instituições fazem parte do esquema. Athayde Patrese não foi indiciado como prevê a lei, pois alegou que a cirurgia não chegou a ser realizada. Os médicos não foram investigados e nunca serão. No Hospital do Rim em São Paulo, se você tiver dinheiro, pode comprar um rim.

Apesar de todos os meus esforços, todos os casos, depois de 16 anos, estão sendo anulados, paralisados, ou simplesmente arquivados com a ajuda de desembargadores corruptos. 

Doar órgãos no Brasil é colocar a vida em risco. Preserve a sua vida. Não se declare doador de órgãos. Você pode morrer dentro de um hospital para salvar outra pessoa mediante dinheiro.

Ajudem a saúde!

Caros leitores,

O Hospital Regional de Santa Maria no DF, não tem roupas para enfermeiras e médicos trabalharem. Eles estão usando sacos plásticos, como você pode ver na imagem abaixo. A corrupção chegou em níveis alarmantes e está faltando tudo nos hospitais brasileiros. Para um leito de UTI é preciso entrar na justiça. Há casos em que 4 determinações judiciais não foram cumpridas e o paciente (uma criança) está entre a vida e a morte, sem um leito de UTI.


Isso, nada mais é, que o reflexo da corrupção principalmente no judiciário, que protege quadrilhas que fraudam o SUS diariamente. Graças a desembargadores corruptos que ganham mais de 40 mil reais por mês, para favorecer bandidos, o Brasil está afundando.

Mas não se desesperem! O reajuste do judiciário está em torno de 41%. Os nossos magistrados que ganham mais de 40 mil por mês, estão com dificuldades financeiras e são prioridade. Sim! São prioridade, pois se você não alimentar estes bandidos, os outros bandidos não podem desviar o dinheiro da saúde! É uma quadrilha!

Os bandidos roubam a saúde, e parte do dinheiro é destinado à desembargadores que irão garantir a impunidade. E este ciclo vai se perpetuando por toda a eternidade. Insatisfeitos com as migalhas que recebem, desembargadores pressionam os bandidos, que acionam seus amigos no governo, que garantem aumento para os magistrados.

E o povo?

Ora, o povo é quem paga a conta, muitas vezes com a própria vida. O dinheiro não leva desaforo. É pagar ou pagar. 

Está na hora de acabarmos com este esquema, enquanto ainda estamos vivos. Está na hora de colocar a arma na cabeça certa. Chega de vivermos sob a mira destas quadrilhas.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Nota de Falecimento

Caros leitores,

Estou muito feliz em informar o falecimento de Emil Sabbaga, ocorrido no dia 4 de março de 2016. Infelizmente soube somente agora, mas nunca é tarde para comemorar. O inferno deve estar contente agora, com a chegada de mais um transplantista.

Emil Sabbaga, para quem não sabe, foi presidente da ABTO. Ele também era o traficante de órgãos que recebia os rins vindos de Taubaté. Vários pacientes em Taubaté foram assassinados para que os rins fossem repassados à Emil e vendidos para pacientes privados.

Este é o único meio de acabar com o tráfico de órgãos no Brasil. Esperar que cada traficante morra para que pessoas inocentes não paguem com suas vidas.

Boa estadia no inferno!!